Santo de Casa

Este mês na nossa coluna Santo de Casa, o entrevistado do nosso blog é o grande guitarrista pernambucano ARTHUR AMARO DE ARAÚJO FILHO - conhecido como Tuca. Ele um grande artista elogiado por Alceu Valença em 2009 onde a banda Hanagorik regravou músicas do Alceu com arranjos novos.




Em sua entrevista Tuca nos relata a sua paixão pela musica e o respeito que tem pela guitarra, fala das influências que recebeu ao longo da carreira e de futuros projetos da banda.


Surubimense nascidos em 17 de janeiro de 1972 Tuca é orgulho da terra onde brota artistas de primeira linha para o cenário brasileiro, a exemplo de Capiba e Chacrinha.






Blog Integração - Quando você percebeu que a música faria parte da sua vida?

Tuca - Aos 13 anos de idade quando formei minha primeira banda(ICE-KISS) vi que aquilo jamais sairia de minha vida e que tudo que fizesse dali por diante iria está inexoravelmente ligada a música de alguma forma.

Blog Integração - Fale um pouco da sua trajetória no mundo musical – desde a infância passando pela adolescência até chegar aos dias de hoje?

Tuca - Comecei a tocar violão aos nove anos, aos 13 comecei a tocar guitarra e formei a banda ICE-KISS com Tontonho, Daniel e Junior ,posteriormente entrariam Eduardo Mantega (Eduardo Ricardo) e Beto Mateus (Roberto Mateus), em 1987 entrei no circuito de bailes pelas mãos de Edivan Mateus, passei ainda pela banda Painel 8 do saudoso Rosalvo, pela banda Raio x de Limoeiro, além de acompanhar diversos artistas desde Pessoa Nascimento até Augusto Cesar.em 1991 formei o Hanagorik com Tontonho,Daniel, Junior, Josemar e Claudinho,posteriormente esses dois últimos sairiam e Gordinho assumiria os vocais, a partir de 1992 paralelamente ao Hanagorik toquei nos Vibrant´s. Com o Hanagorik viajamos o Brasil e a Europa, lançando seis trabalhos e tendo o reconhecimento de público e crítica entrando até mesmo no prestigiado Dicionário Cravo Albin de música brasileira. Hoje divido meu tempo entre o Hanagorik, meu estúdio de gravação e a banda Supernova, além de ser professor de música do colégio Marista.

Bolg Integração - A arte é uma produção intelectual primorosa, onde as emoções estão inseridas no contexto da criação, porém na historia da arte, vemos que muitos artistas são derivados de outros, seguindo técnicas e movimentos artísticos através do tempo, você possui algum modelo ou influencia de algum artista? Quem seria?

Tuca - Minha primeira influencia foi meu tio Carlos que me ensinou a tocar violão e era um excelente violonista de musica popular brasileira, depois veio Elvis através de meu primo também violonista Alonso, e posteriormente minha maior influencia que são os Beatles. No meu instrumento (a guitarra) destacaria: George Harrison (Beatles), Jimi Page (Led Zeppelin) e acima de todos o mestre Jimi Hendrix.
Blog Integração - O que a música representa para você? (Pois é sabido que muitos artistas usam a arte para expressarem seus sentimentos e impressões de mundo, porém á aqueles que apenas o fazem como forma de hobby ou passa-tempo, para dar uma pausa no estresse do dia-a-dia) em que contexto.
Tuca - Musica pra mim é vital como o ar que respiramos, vivo a música 24 horas por dia, seja tocando, gravando, escutando, escrevendo ou pensando, mesmo agora enquanto respondo a essa entrevista estou escutando música. Ela me faz eufórico, triste, alegre e até mesmo serve como memória emocional de fatos de minha vida como a trilha de um filme.

Blog Integração - Quais as técnicas que você usa para expressar suas idéias, sentimentos e percepção através do som da guitarra?

Tuca - Costumo dizer que a guitarra é um instrumento muito pessoal, ela se molda ao corpo e a personalidade de quem a toca, diferente do piano que é um instrumento estático ou mesmo a bateria, para se tocar guitarra tem que se tocar com todo o corpo. E é um instrumento que tem vida própria, às vezes você o domina, mas às vezes é dominado e tem até dias que ela não tá a fim de ser tocada então é melhor não tentar.
Foi trazida pelos mouros para a Espanha que a aperfeiçoou e deu a imagem que ela tem até hoje, tem o formato do corpo de uma mulher, os espanhóis sabem das coisas.
Respeito muito meu instrumento para que ele seja sempre bonzinho comigo, (risos).
Blog Integração - Todo artista tem seu mentor, aquela pessoa a quem você se espelhou, que te incentivou e te inspirou a seguir essa carreira, indo adiante e levando seus sonhos a outros patamares de expressão, quem é essa pessoa e como ela te introduziu no mundo da música, e de que forma influenciou você?
Tuca - Como havia falado o meu tio Carlos foi quem me pegou pela mão e me levou para molhar os pés na água pela primeira vez, foi aquele que me apontou os caminhos desde a MPB até o rock and roll dos anos 50.
Mas com o tempo vamos nos espelhando em mais pessoas que passam por nossa vida e que de alguma forma nos influenciam.
Blog Integração - Quais os projetos futuros?


Tuca - O Hanagorik está na pre-produção de um novo cd que será lançado em breve quero aumentar meu estúdio e torná-lo um espaço que atenda sua clientela o mais profissionalmente possível.


Blog Integração - Você já viajou bastante, conheceu outras culturas e pode ver de perto como os músicos de outros países trabalham. Em que essas viagens modificaram seu estilo e a sua percepção musical.


Tuca - Serviu principalmente para saber que a música que fazemos não fica a dever a nenhuma outra de qualquer país, porém a estrutura lá fora é extremamente profissional, o Brasil ainda tem um longo caminho a percorrer, mas já melhorou muito.

Blog Integração - O que representa o Hanagorik em sua vida?

Tuca - Uma parte muito importante, foi com o Hanagorik que passei da adolescência para a fase adulta e fazer parte dessa banda me possibilitou viajar, aprender outra língua e experimentar aventuras que nunca sonhei e acima de tudo conviver com os outros meninos e crescermos juntos em todos os sentidos.
Blog Integração - VocÊ participou do cd tributo a Alceu Valença como foi fazer parte deste projeto?.


Tuca - Muito bom ! foi uma experiencia a mais ter arranjado e produzido junto com Zé da Flauta esse trabalho e além de tudo ter o reconhecimento do próprio Alceu que adorou o projeto. Só falta agora ser lançado o que independe de nós.

Ana Cláudia









A nossa primeira entrevistada desta coluna é Valda Sedícias, estreando com chave de ouro nos deu uma exclusiva.
Nascida em Recife no Bairro de Casa Amarela, ela morou em Itabuna na Bahia ainda criança, no final da década de 70, o pai, que era bomjardinense, resolveu retornar à terra natal, a cidade de Bom Jardim –PE.
Estamos falando de Valda Sedícias, uma legitima pernambucana encantada por nossa cultura e por nossa gente.Em 1991 Valda Sedícias iniciou sua carreira artística, o primeiro trabalho gravado veio em 1992 com a gravação do primeiro. Valda Sedícias enxergou no rádio uma janela para o mundo, ela diz que o rádio é fonte de acesso a várias informações e estilos musicais.

Valada Sedícias relata que: “ o rádio era para nós da década de 80, assim como é a internet para os dias atuais. Gostava muito de ouvir as grandes vozes brasileiras, além da nossa música regional, nordestina, tocada a contento nos aparelhos de ondas curtas. Luis Gonzaga era peça fundamental! lá em casa os seus discos eram esperados e comprados assim que saíam do "forno" com grande ansiedade. Sem contar que cresci ouvindo meu pai, José de Vasconcelos Sedícias, tocando seu acordeom, amava cantar sendo acompanhada por ele, que saudade...”

Valda Sedícias lançou dois LPS e cinco CDS, além de trabalhos gravados ao vivo em shows realizados.

Confira a baixo a entrevista que Valda Sedícias deu com exclusividade a nosso blog.

Blog Integração: A cultura Nordestina depois da parabólica, TV a cabo e internet vem cada vez mais sendo influenciada por outras culturas, não apenas de outras regiões do país mais de outros países como você vê essa influência?

Valada Sedícias: Vejo de forma positiva, respeitados, é claro, certos limites, não do saudosismo, mas daquilo que realmente tem valor e o que tem valor está inserido no gosto popular e não deixará de existir nunca, não importa qual tipo de influência venha a ocorrer.

Blog Integração: A música popular brasileira é mais forte hoje do que quando você começou?

Valda Sedícias: A década de 70 ficou marcada pela grande invasão de música estrangeira, particularmente a americana enquanto que a nossa música ficava na gaveta das grandes gravadores. Hoje a coisa é mais aberta e vejo com alegria o espaço para as coisas produzidas aqui no país.

Blog Integração: Pernambuco hoje está mais visível nacionalmente e com isso a nossa cultura está indo mais longe, um bom exemplo disso é mestre Salustiano está em rede nacional mostrando um pouco da nossa raiz cultural. Você acredita que demorou muito pra essa valorização vir a acontecer?

Valda Sedícias: Tenho em mim a certeza que as coisas só acontecem na hora certa. O momento é esse e essa valorização é bem merecida e me parece sincera e não movida por interesses financeiros, portanto, extremamente válida.

Blog Integração: Surubim é conhecida nacionalmente como a “Capital da Vaquejada”, porém na cidade não encontrasse aboiadores, repentistas e violeiros em grande quantidade para alavancar a música totalmente propicia a corrida de mourão, na sua opinião por que se dá este fato?

Valda Sedícias: Associo essa falta de artistas do gênero a uma questão cultural. Observo que falta incentivo direto àqueles profissionais até para que possam dessa forma incentivar o aprendizado e despertar o interesse na juventude sobre a grande importância de continuar levando a cultura local e mostrar que essa cultura, ou a soma de atrativos culturais, é que faz uma sociedade ser reconhecida tendo sua memória cultuada e preservada.

Blog Integração: Seu seguimento é forró, porém você canta em trios elétricos e faz shows em carnaval. Seu disco é eclético como você?

Valda Sedícias: (Risos) Plagiando o grande Milton Nascimento, "o artista tem que ir aonde o povo está", esse "ir aonde" implica em cantar aquilo que meu público quer ouvir. E faço isso. Canto o que agrada aos meus seguidores e a eles, devo reverência e respeito.

Blog Integração: Sabemos que você tem uma bela parceria com Paulo dos Teclados, nossa pergunta é: Você também compõe as músicas, interfere na criação ou sua principal função é dá vida a elas?


Vanda Sedícias: A parceria com Paulo do Teclado. Essa parceria é que me faz viver, sonhar e compor! As composições são nossas, pois trabalhamos em equipe. Pensamos e agimos juntos. Temos uma afinidade musical incrível e profunda. Tem músicas que faço a letra e Paulo a melodia. Outras ocorre o inverso e Paulo é fera também como letrista! Não seguimos uma regra. Apenas fazemos, coisa de Deus!!!


Blog Integração: Qual foi o seu maior sucesso até hoje?

Valda Sedícias: A música a Sede te amar

Blog Integração: Que dificuldades ainda enfrenta na carreira?

Valda Sedícias: As mesmas de sempre, a falta de recursos para expandir meu trabalho.

Bolg Integração: O publico muitas vezes leva ao topo do sucesso (momentâneo diga-se de passagem) um artista que decola e de repente vai parar na TV, nas rádios e isso hoje com a tecnologia se deve as redes sociais. Você acredita ser mais fácil hoje do que antes fazer sucesso nacional ou está mais difícil?

Valda Sedícias: Creio hoje em dia é muito mais difícil porque tem muita gente boa e pouco espaço e depende muito da sorte.

Blog Integração FM: Projetos para 2012 – o que vem por ai?

Valda Sedícias: Pretendo gravar um Cd com o autêntico forró de pé de Serra em homenagem à meus pais que já se encontram na pátria espritual, e Continuar na estrada mostrando minhas músicas e fazendo a alegria desse povo ,que nasceu para ser feliz, sorrir e sonhar!


Um pouco mais sobre Valda – Ping-Pong para os internautas

Nome: Marivalda dos Santos Sedícias

Tempo de Carreira: 20 anos

Cor preferida: preto

Um lugar inesquecível que gostaria de fazer um show: Salvador-BA

Qual a coisa mais importante que já te aconteceu até agora: O nascimento de minhas filhas, Mayara e Isadora.

Prato preferido: Uma bela Caranguejada, hum!!!!....

Lugar Preferido: Ilha de Itaparica Salvador -BA

Como agradar a Valda Sedícias? Basta ser simples e verdadeiro e se quiser me presentear, me dê rosas, amooooooooo!!!

Sonho: Não tenho grandes sonhos, me considero uma pessoa realizada, quero ter sempre o trabalho pra me sentir digna.

Frase: “Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer Um pode Começar agora e fazer um Novo Fim”. (Chico Xavier)

Um livro: O evangelho segundo o espiritismo

Um filme: Não somos anjos.

Um conselho pra quem quer iniciar a carreira artística: Lute por seus ideais até o fim, não importando a indiferença de alguns, a batalha é árdua mas, muito prazerosa.


Blog Integração: Agradecemos a Valda Sedícias pela colaboração com nosso blog e a parabenizamos pela brilhante carreira. Nas fotos acima, Valda Sedícias hoje e  quando criança.

Ana Cláudia




2 comentários:

Deixe aqui seu comentáro a respeito.